UNDIME/MT

25/11/2021

Olimpíada de Língua Portuguesa divulga lista de finalistas com professores de 23 Estados

   

 Os vencedores serão escolhidos por uma comissão julgadora, que anunciará o resultado em evento no dia 10 de dezembro

Olimpíada de Língua Portuguesa divulgou a lista das professoras e professores classificados para a etapa final. Foram selecionados 16 finalistas em cada uma das categorias Crônica, Artigo de Opinião, Memórias Literárias, Documentário e Poema, totalizando 80 docentes de 23 estados. A celebração dos vencedores ocorrerá no dia 10 de dezembro (sexta-feira), às 18h horas (horário de Brasília), em evento virtual transmitido pelo canal do YouTube do programa Escrevendo o Futuro.

Os trabalhos finalistas serão analisados por uma comissão julgadora formada por especialistas em língua portuguesa, com experiência em trabalhos dessa natureza e familiaridade com o ensino e a prática de leitura e escrita, além de representantes das instituições parceiras, que irão avaliar os trabalhos apresentados. 

Serão escolhidos 20 vencedores nacionais, sendo quatro professores, e suas respectivas turmas, em cada categoria. Entre as premiações estão notebooks para os docentes e tablets para os estudantes. As escolas dos vencedores também receberão acervos de livros para a biblioteca e placas de homenagens.

O concurso integra o Programa Escrevendo o Futuro, desenvolvido pelo Itaú Social com a coordenação técnica do CENPEC. Conta com a parceria do MEC (Ministério da Educação), da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação), do Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação), da Fundação Roberto Marinho e do Canal Futura.

A edição deste ano recebeu 112.508 inscrições nas cinco categorias do concurso, alcançando 3.877 cidades das cinco regiões do Brasil. Participaram 27.847 escolas e 59.008 docentes. A semifinal mobilizou cerca de 6.500 professoras, professores e suas turmas de estudantes. 

“Neste ano, a Olimpíada deste ano trouxe um novo formato com foco na valorização da prática e do trabalho desenvolvido pelos docentes e no reconhecimento de produções realizadas por todos os alunos de forma coletiva”, comenta a coordenadora de Implementação Regional do Itaú Social, Claudia Petri.

Confira como foram os encontros para seleção dos finalistas de cada categoria e conheça quem são eles: 

Crônica

Entre os dias 13 e 16 de outubro, o encontro virtual com os semifinalistas da categoria Crônica contou com rodas de conversas, mural de troca de mensagem e atividades, entre elas a leitura dos relatos de prática, no qual os docentes tiveram a oportunidade de conversar e se inspirar com os caminhos e estratégias de seus colegas. 

As turmas também assistiram a uma palestra com Bruno de Castro, jornalista e escritor, que foi finalista do Prêmio Jabuti com seu primeiro livro “E, no princípio, ela veio: crônicas de memória e amor” (Moinhos, 2020). Já os professores tiveram um encontro com a escritora e tradutora Carol Bensimon. Autora de romances como “O Clube dos Jardineiros de Fumaça” (Cia da Letras, 2017), vencedor do Prêmio Jabuti, ela também escreve contos, ensaios e crônicas, como as que estão reunidas na obra “Uma Estranha na Cidade” (Dublinense, 2016).

O final do encontro contou com a participação especial de Geni Guimarães, escritora homenageada desta edição. Sua presença se repetiu no encerramento de todas as categorias.

Confira a relação dos finalistas da categoria:

Artigo de opinião

Nos dias 19 a 22 de outubro ocorreu o encontro dos semifinalistas da categoria Artigo de Opinião, no qual os estudantes puderam conversar com Vagner de Alencar e Cintia Gomes, jornalistas e cofundadores da Agência Mural de Jornalismo das Periferias. O assunto do diálogo foi sobre a importância de contar histórias de seu bairro e cidade como forma de evidenciar as suas qualidades.

Para os professores, as discussões tiveram como foco a elaboração do Relato de Prática, a narrativa da experiência e a docência em meios aos desafios na educação. Eles também participaram de uma palestra com João Wanderley Geraldi, linguista reconhecido por seus trabalhos sobre ensino de Língua Portuguesa e análise do discurso. Professor aposentado da Unicamp e professor visitante da Universidade do Porto, ele é autor de obras importantes como “O texto na sala de aula: leitura e produção” (ASSOESTE, 1984).

Confira a relação dos finalistas da categoria:

Memórias literárias

No encontro de professoras e professores semifinalistas da categoria Memórias literárias, entre os dias 26 e 29 de outubro, houve a oportunidade de compartilhar suas histórias sobre as experiências, mudanças e desafios enfrentados em seu trabalho neste último ano. 

A palestra desta categoria ficou por conta da escritora Giovana Madalosso, jornalista e autora do romance “Tudo pode ser roubado” (Todavia, 2018), finalista do Prêmio São Paulo de Literatura e do livro de contos “A teta racional” (Grua livros, 2016), finalista do Prêmio Biblioteca Nacional. Já os estudantes contaram com a presença do escritor indígena Kaká Werá Jecupé, que compartilhou um pouco de suas histórias e reflexões sobre memória e ancestralidade.

Confira a relação dos finalistas da categoria:

Documentário

Dinâmicas e diálogos marcaram o encontro dos semifinalistas da categoria Documentário entre os dias 3 a 6 de novembro. Os estudantes foram convidados a pensar imagens que retratem suas saudades e, em seguida, produziram vídeos curtos mostrando os objetos que representam essas figuras. 

A conversa ficou por conta da Yasmin Thayná, cineasta, pesquisadora, fundadora da Afroflix e curadora da Flup (Festa Literária das Periferias). Ela é diretora dos filmes “Kbela” e “Batalhas e Fartura”, além de apresentadora do Canal Futura.

Já os professores puderam discutir as possibilidades do Relato de Prática e do trabalho com Documentário. Além disso, houve espaço para a troca de vivências e discussão dos desafios no ensino deste gênero, sobretudo no contexto de pandemia e aulas remotas. 

A palestra dos docentes foi com Tammy Weiss e Victor Luiz, do Instituto Querô. Victor Luiz é produtor e diretor audiovisual, e um dos diretores da série “Diz Aí – Extermínio e Enfrentamento da Juventude Negra”, produzido pela Querô Filmes em parceria com o Canal Futura. Já Tammy é coordenadora do Instituto, produtora de projetos audiovisuais e gestora de negócios audiovisuais. Entre suas produções está o longa-metragem “Sócrates”, vencedor de 18 prêmios nacionais e internacionais, incluindo o Spirit Awards, considerado o Oscar do cinema independente.

Confira a relação dos finalistas da categoria:

O último encontro da semifinal, da categoria Poema, foi repleto de atividades e rodas de conversa. Ocorrido nos dias 9 a 12 de novembro, os estudantes foram desafiados a compor uma estrofe sobre o lugar onde vivem. Logo após, os participantes juntaram seus textos a fim de criar um poema único que mostrasse a origem dos semifinalistas.

A palestra para os estudantes foi de Jarid Arraes, contista, poeta e cordelista. Nascida em Juazeiro do Norte (CE), a autora já publicou mais de 70 títulos em literatura de cordel, dentre eles “Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis” e “As lendas de Dandara”Outros trabalhos da escritora incluem o livro ”Um buraco com meu nome” (2018) e ”Redemoinho em dia quente” (2019).

A atividade dos professores teve como foco explorar os relatos de práticas de seus colegas, proporcionando um momento de troca e de inspiração entre os participantes. Já a palestra foi com Ailton Krenak, ambientalista, filósofo, poeta e escritor brasileiro da etnia indígena Krenak. Nascido na região do Vale do Rio Doce (MG), ele é considerado uma das maiores lideranças do movimento indígena brasileiro. 

Confira a relação dos finalistas da categoria: