UNDIME/MT

18/06/2021

 


Elaine Noeli Elsenbach, educadora há mais de 30 anos, é técnica da secretaria de educação de Canarana, no Mato Grosso, e participante do programa Embaixadores da BNCC (saiba mais sobre essa iniciativa do Movimento pela Base no final da página). Desde 2017, quando entrou na secretaria, acompanhou as mudanças e adequações na rotina de estudos da rede. 

Leia na íntegra: 


11/06/2021


Na próxima terça-feira (15), o Instituto Ayrton Senna e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) dão início à segunda fase do programa Volta ao Novo. A nova etapa irá focar na continuidade da disseminação de conhecimento e estratégias de apoio à Educação Integral dos estudantes em tempos de pandemia.

Na primeira fase do projeto, realizada no segundo semestre de 2020, multiplicadores da Undime participaram de encontros formativos com o objetivo de desenvolver estratégias de inclusão das competências socioemocionais de estudantes e educadores no planejamento do ensino remoto e de um eventual retorno das aulas presenciais. Todo o conhecimento está sendo compartilhado com as redes municipais de ensino de todo o país.

Na segunda fase do programa, os multiplicadores indicados pelas seccionais da Undime serão convidados a refletir sobre como diferentes temas podem apoiar os educadores no período de aulas não presenciais e retorno gradual às escolas. Além das competências socioemocionais, serão abordadas as competências Cognitivas e a Motivação para aprender, essa última referente ao mais novo horizonte de pesquisa do Instituto, que será lançado oficialmente no Seminário internacional Motivação: evidências para promover a aprendizagem.

Segundo Carlos Mandel, coordenador de Disseminação de Conhecimento do Instituto Ayrton Senna, o objetivo dessa nova fase é aproveitar o canal criado com os multiplicadores em 2020 para continuar levando o conhecimento desenvolvido pelo Instituto para as redes municipais.

“A intenção é fortalecer ainda mais a ponte entre a ciência, a prática e a gestão educacional, garantindo que os conhecimentos gerados pelo Instituto apoiem a formulação de políticas públicas e tomada de decisão de gestores de todos os níveis”, ressalta.

Educação Integral
Os encontros da segunda fase do Volta ao Novo com a Undime serão bimestrais e acontecerão até dezembro de 2021, sendo o primeiro tema abordado a Motivação para Aprendizagem. Após o seminário internacional, a equipe do Instituto se juntará aos multiplicadores da Undime em mais dois encontros para apoiar os educadores no desenvolvimento de estratégias relacionadas à temática dentro do contexto da pandemia.

A segunda temática dessa nova fase, prevista para ser apresentada aos multiplicadores em agosto, terá foco na Alfabetização e Correção de Fluxo. A abordagem das competências cognitivas será voltada ao desenvolvimento de estratégias para reduzir os prejuízos de aprendizagem na pandemia, eliminar desigualdades resultantes de diferenças no contexto de cada criança e jovem, e manter as oportunidades de avanços para todos. O módulo final, previsto para outubro, irá conectar todos os módulos anteriores (Socioemocional, Motivação e Cognitivo) ao conceito de Educação Integral.

“Essa nova fase do Volta ao Novo é uma oportunidade de apoiar ainda mais os educadores das redes municipais de educação na batalha contra os prejuízos causados pandemia, que ainda não acabou. Isso se tornou realidade graças ao conhecimento do Instituto Ayrton Senna em Educação Integral e a todo o comprometimento dos multiplicadores da Undime na primeira fase do programa no ano passado, que abordou as competências socioemocionais”, afirma Luiz Miguel Garcia, presidente da Undime.

Quer saber mais sobre a primeira fase do Volta ao Novo com a Undime? Clique aqui

Fonte: Instituto Ayrton Senna e Undime
Foto: Estúdio Euka / Instituto Ayrton Senna













10/06/2021


O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) criou o Núcleo de Apuração de Responsabilidade de Compras Nacionais para Educação (Nacon) para aprimorar o processo de apuração de possíveis irregularidades na área de fornecimento de produtos para as redes de ensino. O Nacon tem como principal atribuição a análise de processos, peças, recursos e comunicações, entre outros documentos, para verificar a ocorrência de supostas práticas ilegais cometidas por fornecedores e empresas no âmbito do Registro de Preço Nacional (RPN).

A criação do núcleo também visa promover melhor gerenciamento de todas as etapas das compras nacionais para a educação, sobretudo na fase de controle de qualidade na entrega dos produtos aos entes federados e na verificação de condições de habilitação dos fornecedores. Além disso, poderá contribuir no planejamento, nas análises de riscos em licitações, bem como apontar oportunidades de melhoria em governança de compras.

Qualquer cidadão pode contribuir com o trabalho desenvolvido pelo Nacon. Basta enviar informações sobre supostas práticas irregulares para o e-mail nacon@fnde.gov.br.


Fonte: Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Foto: FNDE









O Painel de Monitoramento do Plano Nacional de Educação (PNE) reúne gráficos e tabelas – com desagregações por regiões, unidades da Federação e perfis socioeconômicos, entre outras – das 20 metas do PNE em uma interface amigável para o usuário. Os dados são atualizados a cada dois anos, de acordo com a conclusão dos relatórios dos ciclos de monitoramento das metas, atribuição do Inep, conforme a Lei do PNE.

Os resultados são apresentados em indicadores calculados pelo instituto para acompanhar a evolução do plano. Também é disponibilizada a base de dados usada no cálculo e nas fichas técnicas de cada meta.

Lançado em 2016, o Painel de Monitoramento do PNE integra o InepData, conjunto de painéis de BI (Business Intelligence) que facilita o acesso da sociedade às informações produzidas pelo instituto. Seu objetivo é ser base de informações para gestores educacionais das redes pública e privada, organizações da sociedade civil, pesquisadores e imprensa.

09/06/2021


Gestores de todo o país estão preocupados e sem esclarecimentos sobre o ajuste realizado nesta segunda-feira, 31 de maio, nas contas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). A Confederação Nacional de Municípios (CNM) tem acompanhado de perto a implementação do Fundeb e ainda não tem explicações sobre a operação financeira realizada.


As preocupações da CNM têm sido constantes, especialmente em razão dos vários equívocos cometidos pelo governo federal na operacionalização do Fundo, desde os repasses da complementação da União em janeiro deste ano até os equívocos da Portaria Interministerial 1, de 31 de março de 2021, no cômputo das matrículas utilizadas para o cálculo dos repasses do fundo. Não é a primeira vez que lançamentos sem a devida explicação e publicização pelo FNDE são realizados, o que tem gerado inúmeros questionamentos por parte dos gestores municipais.

O ajuste a débito nas contas do Fundeb realizado hoje foi questionado por inúmeros Municípios, primeiro pela falta de informações e segundo pelas dificuldades que os débitos representam no planejamento das ações educacionais. A CNM está em articulação com o FNDE para entender o acerto financeiro realizado e solicitar, por meio de ofício, que o ajuste seja tornado sem efeito, com seu respectivo estorno nas contas do Fundeb até que se tenha o devido entendimento sobre a situação ocorrida. Confira o Oficio 199/2021 199/2021 CNM/BSB enviado pela entidade questionando a situação.

Confira as matérias publicadas pela CNM sobre os problemas ocorridos na operacionalização do novo Fundeb.